MOCA, o mais novo museu de Toronto e sua vizinhança cool

Depois de muitas idas e vindas, e um soft opening coincidindo com o Open Doors Toronto 2018, o museu MOCA finalmente vai abrir suas portas em definitivo. Quer dizer, reabrir. O museu de arte contemporânea de Toronto tem história para contar e um bom gosto para escolher os lugares que ocupa.

Antes de fixar morada no bairro eclético The Junction, onde situa-se, o MOCA funcionava num prédio na descolada região da Queen Street West. Fechou as portas em 2015, e agora, depois de três anos, vai ser reinaugurado na nova vizinhança, ocupando um dos edifícios mais icônicos da cidade: o Tower Automotive, de 1919, uma antiga fábrica de autopeças que chegou a ser um dos prédios mais altos de Toronto. Fechada em 2006, ficou abandonada por há anos, até agora.

View this post on Instagram

MOCA after hours. Captured by our evening crew.

A post shared by MOCA Toronto (@mocatoronto) on

Também deu uma mudada no nome, antes MOCCA (Museum of Contemporary Canadian Art) e agora MOCA, com um “C” só, sigla em inglês para Museum of Contemporary Art.

Testemunhe o nascimento de um museu

A reabertura do museu MOCA terá pompas de inauguração, com direito a corte de fita inaugural e entrada gratuita para todos os visitantes.

Na programação de inauguração, trabalhos de mais de 20 artistas locais e internacionais, que poderão ser apreciados por adultos e crianças.

O MOCA é totalmente acessível, com elevadores em seus cinco andares e estacionamento para cadeiras de rodas e carrinhos de bebê.

O acesso para o seu primeiro andar, Floor 1, será sempre gratuito, um espaço para instalações interativas.

A exibição BELIEVE, nos pisos 2 e 3, conta com trabalhos de artistas canadenses e internacionais, incluindo Jeneen Frei Njootli, do povo Vuntut Gwitchin, índigenas Primeira Nação do território de Yukon, no extremo norte do país.

O museu também está bem servido quando o assunto é cafeteria, comandada pelo pessoal do Forno Cultura.

O bairro The Junction

A mudança do MOCA para o bairro eclético apelidado de The Junction culmina o movimento feito por galerias de arte e estabelecimentos de outras vizinhanças tão cool quanto, há alguns anos, forçados a mudar de casa por causa do aumento exorbitante dos aluguéis de onde estavam.

Não estranhe o jeito largadão do lugar, especialmente a Sterling Road, rua do MOCA. Por ali e arredores escondem-se lugares descolados e preciosidades a serem descobertas.

O bairro, que chegou a ser cidade independente de Toronto, até o início do século 20, teve lá seus altos e baixos e nos últimos anos, com seus novos moradores, vive um dos momentos mais significativos de sua história, e que história.

Mas por que este nome? Situada à oeste de Toronto, a vizinhança ganhou o apelido de The Junction, ou “A Junção”, por causa de quatro linhas de trem que se cruzam na área, por sua vez, conhecidas como West Toronto Diamond, próximas à intersecção das ruas Keele Street e Dundas Street.

Foram os trens e as indústrias que se instalaram na região (especialmente os abatedouros) quem trouxeram prosperidade ao bairro, mas que não durou muito por causa de uma depressão econômica tão intensa que, perdão do trocadilho, tirou os trabalhadores dos trilhos. Alcoolismo e vandalismo tomaram conta do The Junction ao ponto de ser instaurada uma lei seca por ali que vigorou, pasmem, por quase 100 anos, entre 1904 a 1998!

Dois estabelecimentos que brigaram pelo fim da lei seca durante todo este período ainda existem: a pizzaria Vesuvio (3 010 Dundas St W, 416-763-4191) uma das mais antigas da cidade e ainda operada pela mesma família, e o bar Shoxs Sports Saloon, (2 827 Dundas St W, 416-762-7097) o primeiro a servir bebidas alcoólicas depois do fim da lei seca.

Ironicamente, o bairro, hoje, concentra algumas das melhores cervejarias locais e artesanais de Toronto, como a Henderson Brewery (128 Sterling Rd, 416-535-1212) que, assim como o MOCA, também ocupa o prédio centenário de uma antiga fábrica. Tem como vizinhos o recém-inaugurado Drake Commissary (128a Sterling Rd, 416-432-2922), um fantástico hub culinário pertencente ao hotel Drake: mistura de padaria com restaurante, com cozinha experimental e patio (mesinhas na calçada), num ambiente vintage moderninho irresistível, incluindo uma cabine de fotos instantâneas em preto e branco. Fica na mesma rua do MOCA. Portanto, já sabe, programe-se para ficar por aquela região um dia inteiro.

A Junction Craft Brewing (150 Symes Rd, 416-766-1616) é outra cervejaria que vale uma visita, seja pelo prédio histórico e totalmente reformado que ocupa, à qualidade de suas cervejas, é claro. Famosa por sua lager escura Junction Road e brunch pop-ups nos finais de semana.

A minúscula Bandit Brewery (2 125 Dundas St W, 647-348-1002) funciona no que já foi uma oficina mecânica e tem um dos patios mais encantadores da cidade, inspirado nos “jardins de cerveja” alemães. Uma de suas mais famosas criações é a cerveja Hasselhef, com esse nome em homenagem ao ator americano David Michael Hasselhoff, idolatrado na Alemanha por causa do seu personagem “Michael Knight” no seriado A Super Máquina.

Falando em brunch, o do restaurante Farm House Tavern (1 627 Dupont, 416-561-9114) está sempre na lista dos melhores da cidade, com hambúrguer no cardápio.

MOCA – Museum of Contemporary Art of Toronto

158 Sterling Road

Corte da Fita Inaugural: Dia 22 de setembro, às 10h

Horário: das 10 às 17h

Entrada gratuita durante o final de semana de inauguração: dias 22 e 23 de setembro

Demais dias:

Adultos: C$ 10
Estudantes (18+): C$ 5
Idosos (65+): C$ 5
Crianças e Jovens (até 18 anos): $0

A dez minutos de caminhada da estação de trem Bloor GO (use o TTC Trip Planner para planejar seu passeio). Para quem estiver de carro, aviso: quase não há espaço para estacionar por lá, principalmente no prédio do Drake Commissary. Estacione na Dundas Street e caminhe até o local.

Bom Passeio!