O que esperar de um festival de cerveja no inverno

DSCN0666

Aconteceu ontem, dia 11, o 4­º Festival de Inverno de Cervejas Artesanais (Roundhouse Winter Craft Beer Festival), no Roundhouse Park, na frente da cervejaria Steam Whistle que, por sua vez, fica na frente da Torre CN.

Falar a verdade, eu não estava esperando muito deste festival, não: nevou muito na sexta-feira, o dia amanheceu esquisito e, na minha cabeça, tempo assim não combina com festa da cerveja, que dirá servida do lado de FORA.

Mas, lá fui eu, cumprir meu dever de reportar, mesmo porque, fui convidada, fica chato recusar.

E não é que eu adorei?! E nem de cerveja eu gosto! Deu uma esquentadinha (três graus positivos), céu aberto e uma turma super da paz, dos expositores aos atendentes. Tudo perfeito, até esqueci do frio (e ainda não tinha tomado nada).

DSCN0681

Será que ele acha que está no Brasil?

Para nós, brasileiros, acostumados a associar cerveja com verão, calor, praia, pouca roupa, é uma experiência e tanto experimentá-la assim, num inverno rigoroso da América do Norte, cercados de neve, com luvas, gorro, bota e cachecol. Mas garanto, o gosto é o mesmo.

O festival contou com 45 cervejarias de Ontário e, pela primeira vez, da província de Alberta. Os portões abriram às 11 da manhã e a festa rolou até às 5 da tarde. Eu cheguei por lá por volta da 1 da tarde. As 500 pessoas que chegassem primeiro ganhariam um gorro do festival. Perdi a oportunidade, fica para o ano que vem.

Os ingressos online (à $25 dólares) esgotaram-se dias antes do evento. Na porta, custavam $30 dólares, com direito a uma caneca igual à esta aqui:

IMG_2504

Na entrada, podia-se comprar fichas de degustação, a $1 dólar cada.

IMG_2667

Fichas de degustação que sobraram: agora, souvenires.

E para forrar o estômago, uma ótima seleção de food trucks com comidinhas típicas, como o clássico canadense poutine, mac’n cheese e muito hambúrguer, é claro.

DSCN0690

Eu e minha filha, posando antes de devorar um poutine

Comecei minha jornada com uma caneca da cerveja escura, estilo Porter, com nome engraçado: Stranger Than Fiction, da cervejaria Collective Arts. E fiquei sabendo que ela é a única cerveja canadense que ganhou uma medalha no World Beer Cup, a mais importante competição de cerveja do mundo, espécie de Copa do Mundo das cervejarias. Comecei bem.

IMG_2524

Stranger than Fiction, a Porter premiada da cervejaria Collective Arts.

IMG_2526

Dei um um tempo na degustação para atender o tour pelas instalações da cervejaria Steam Whistle, que faz somente um tipo de cerveja, tipo Pilsen (ou Pilsner, como falamos, aqui) e que leva seu nome. A cervejaria ocupa 1/3 das instalações da antiga estação de trem Canadian Pacific Railway Don Station, de 1929. Ainda dá para ver a arquitetura original da época, assim como algumas locomotivas e os trilhos da antiga estação ao redor do prédio.

IMG_2513

Roundhouse Park, chamado assim por causa do formato circular de onde as locomotivas eram alojadas

No início do tour, cada participante ganha uma garrafa de cerveja para tomar durante a meia hora do roteiro. Resolvi não tomar a minha por receio de não lembrar uma palavra do que seria explicado. Fiz bem. Aprendi muito sobre cerveja e o orgulho que a marca tem por seu produto. Muito bom. Recomendo.

IMG_2549

Saindo do tour, deparo com um estande do café Jimmy’s Coffee, e eu não resisto a um cafezinho. Apesar de o festival ser outdoor, há um espaço com mesas e cadeiras dentro da Steam Whistle para descongelar e descontrair, com música da boa rolando solta.

IMG_2607

Quando saí, o sol havia desaparecido, a neve derretido e o chão enlameado, o que  não ofuscou nem um tiquinho o festival.

DSCN0677

Confesso que eu sou fraquinha para beber e, a partir daí, com meu marido e minha filha do lado, deixei a degustação para ele. Mas, assim como comecei bem, terminei bem: com uma sidra (bebida alcóolica fermentada, à base de maçã) quente, com um leve toque de canela e caramelo, da Thornbury Cider, da região de Georgian Bay, lado mais nordeste do lago Huron, a umas duas horas de Toronto.

IMG_2652

Eu, feliz da vida: sidra de um lado, bolinho de carne da Mama Raty’s, do outro

FullSizeRender-1024x1024

Ano que vem, prometo ser umas das primeiras da fila (mas ouvi dizer que tem a versão de verão do festival. Pode deixar, conto para vocês, aqui).